Centro Cultural Fortaleza - Conversas Filosóficas Centro Cultural Fortaleza - Conversas Filosóficas

CONVERSAS FILOSÓFICAS

NOVEMBRO/2017

 

Temática: Padrão do poder mundial: como a negritude é (des)considerada?

Dia 11, sábado, às 14 horas

 

Ao se falar sobre o Dia Nacional de Zumbi dos Palmares e da Consciência Negra, instituído pela lei 12.519 de 10 de novembro de 2011, comemorado anualmente no dia 20 de novembro, é comum ouvir comentários de que deveríamos comemorar o dia da consciência humana, discurso que reforça a ideia conservadora de que não há racismo no Brasil e que a instituição de uma data comemorativa para a consciência negra reforça o discurso de segregação étnico-racial que não condiz com a realidade.

O atual momento de culminância da globalização capitalista teve seus primórdios na constituição da América e do capitalismo colonial como um novo padrão de poder mundial. Um dos aspectos fundamentais desse novo padrão de poder é a classificação da população conforme a ideia de raça – que permeia as dimensões da sociabilidade, incluindo a sua racionalidade específica –, na qual se estabelece uma inferioridade natural/biológica aos negros e indígenas. A dominação classificatória articula o controle do trabalho, dos recursos e da produção em torno do capital e do mercado mundial. Para que um dia possamos comemorar o dia da consciência humana será preciso uma negação da consciência negra (e de todas as consciências subalternizadas) ao humanismo abstrato europeu que a subalternizou, luta prática pela igualdade real de oportunidades materiais e espirituais. Venha, traga seus amigos e reflita conosco. 240 min.

 

Mediação com o Prof. Dr. Antonio Vieira da Silva Filho, graduação em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), mestre e o doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). É professor do Instituto de Humanidades e Letras e do Mestrado Interdisciplinar em Humanidades da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab).